Etiqueta: recomendações

Vinhos para casais

 TAGS:undefinedNum jantar romântico, o chocolate e as ostras formam um efeito algo afrodisíaco, tal como o vinho, e há sempre um tinto, um branco ou um espumante ideal para partilhar num ambiente a dois.

Um vinho branco cai sempre bem, especialmente com massas, arrozes ou peixe, já que são vinhos normalmente secos e muito frescos. Recomendam-se os brancos elaborados com Cabernet sauvignon, Malvasia ou Grenache, normalmente são vinhos que vão bem com quase tudo, de modo que se há algum prato de caça na mesa, o branco também é bem-vindo.

Quando se trata de tintos, Portugal tem uma enorme variedade com qualidade, como por exemplo a Denominação de Origem do Douro. São vinhos intensos e com corpo, o que pode ser um ponto a favor para ele e para ela, já que que cada vez são mais as mulheres que saboreiam um tinto com personalidade.

Uma sugestão: reservem os tintos para pratos de carnes, carpaccios e sobremesas de chocolate. As castas Grenache e Merlot, por exemplo, resultam em vinhos delicados, longos no paladar e muito saborosos.

Em casal podemos permitir-nos o mimo de provar vinhos de qualidade, se a garrafa o merece, compensa pagar um pouco mais, seja em casa ou num restaurante. De qualquer modo, hoje em dia há vinhos de grande qualidade, por menos de 10€, e que possuem todas as qualidades para fazer uma harmonização fantástica.

Se o que pretendemos é seduzir… talvez o ideal seja um vinho espumante. As borbulhas são puro movimento e esta é uma bebida sensual por natureza, que pode ser a companhia perfeita para sobremesas ou mesmo fazer parte dos aperitivos.

 TAGS:Gran Passione 2015Gran Passione 2015

Gran Passione 2015

 

 

 TAGS:Amor de Madre Crianza 2014Amor de Madre Crianza 2014

Amor de Madre Crianza 2014

Os 7 melhores restaurantes da América Latina

 TAGS:undefinedA gastronomia da América Latina está a passar por um dos seus melhores momentos. A Gala dos 50 Melhores Restaurantes da América Latina, celebrada em 2016, colocou novamente o Peru à frente desta batalha, com a sua cozinha carregada de subtilezas e contrastes. Este país conta com 9 restaurantes classificados no ranking, dois deles nos primeiros lugares. Aqui fica uma lista dos 7 melhores restaurantes da América Latina.

Central, Lima, Peru: no Central celebra-se a biodiversidad do Peru. O chef Virgilio Martínez oferece uma carta com ingredientes novos numa cozinha peruana da vanguarda.

Maido, Lima, Peru: outro dos restaurante peruanos à cabeça da famosa lista. Este tipo de cozinha também se encontra em Espanha; cozinha autóctone em fusão com pratos orientais.

DOM São Paulo, Brasil: para muitos este é o restaurante mais importante da América do Sul. A sua característica principal reside no facto de “ter uma cozinha diferente, com novos sabores”, tal como diz o seu dono Alex Atala, ex punk e dj brasileiro. Aqui cozinha-se com tucupí, um líquido amarelado, extraído de mandioca silvestre na Amazónia, e que antes de começar a fermentar é venenoso; ou a priprioca, uma raiz, também da Amazónia, usada há muito pelas industrias farmacêutica e de cosmética.

Boragó, Santiago, Chile: É o melhor restaurante do Chile e isso é dizer muito. Juntamente com a peruana, a cozinha chilena é tradicionalmente uma das mais significativas na América do Sul. O chef Rodolfo Guzmán une pratos tradicionais dos Andes à nova cozinha.

Pujol, Cidade do México: A fusão de culturas no México faz desta cozinha um must. O segundo melhor restaurante do país segundo a “nossa” lista.

Quintonil, Cidade do México: Outro restaurante mexicano entre os melhores. Eles definem-se como “um sítio sofisticado de cozinha mexicana contemporânea, servida num ambiente luminoso e minimalista”.

Astrid y Gastón, Lima, Peru: Como está visto,o Peru ganha entre os melhores da América Latina. Fazer uma refeição neste restaurante é uma verdadeira experiência. A carta inclui entradas e pratos principais com ceviche e lombo salteado.

 TAGS:Santa Alvara Carmenère Reserva 2014Santa Alvara Carmenère Reserva 2014

Santa Alvara Carmenère Reserva 2014

 

 

 TAGS:Casillero del Diablo Reserva Privada 2014Casillero del Diablo Reserva Privada 2014

Casillero del Diablo Reserva Privada 2014

Como arruinar uma refeição

 TAGS:undefinedImagine a seguinte situação: Organiza uma refeição para festejar algo com os seus amigos ou com a família. Já há vários dias que anda a pensar nos pratos e no vinho. Quando chega o dia, está tudo perfeito, porém, os pequenos pormenores que, à partida, pareciam não ter importância acabam por desfazer o esforço investido nesta preparação. Se não quer que isto lhe suceda, recomendamos seguir estes conselhos para evitar arruinar uma excelente refeição.

As alcachofras
Alcachofras e vinho não é realmente uma boa combinação. Ainda que esta afirmação não se possa generalizar, já que existem algumas harmonizações possíveis. Parece que as alcachofras possuem um composto chamado cinarina que deixa o sabor do vinho um pouco estranho. O melhor é escolher um vinho branco leve.

Servir o vinho demasiado quente ou demasiado frio
Cada tipo de vinho deve ser bebido segundo a temperatura que necessite. Ou seja, um vinho tinto demasiado quente ou um branco extremamente frio podem realmente estragar uma refeição. Se o vinho está a uma temperatura demasiado elevada, podemos colocá-lo no frigorífico durante 30 minutos antes de servir. Para os brancos, é recomendável retirar o vinho muito gelado do frigorífico e deixá-lo a temperatura ambiente durante alguns minutos.

Harmonizações sem perfeição
Hoje em dia, a harmonização é uma verdadeira arte. Porquê? Unir sabores, receitas, vinhos, paladar e aromas não é uma tarefa fácil. Uma boa refeição pode ser arruinada se o vinho escolhido for inadequado para o prato. Um vinho doce pode não ser a melhor ideia para uma prato com mais gordura, mas é certamente equilibrado combiná-lo com determinadas sobremesas. Do mesmo modo que um branco fresco pode não ir bem com algumas carnes de caça. O melhor é que se informe sobre as melhores harmonizações e escolha os vinhos segundo os pratos que pretenda preparar.

Se o vinho está quente, gelo nunca!
Certamente que os amantes do vinho já têm conhecimento desta informação. Se o vinho a servir aqueceu demasiado, é melhor não ter a “brilhante” ideia de lhe pôr um cubinho de gelo. Se o fizer, estará a misturar água ao vinho… Só há uma coisa a fazer: deixá-lo no frigorífico durante algum tempo.

Não misturar dois vinhos diferentes no mesmo copo
Quando misturamos vinhos de diferente marca, origem e paladar, o resultado pode não ser agradável. Cada vinho tem as suas próprias características e deve ser tomado sozinho.

Ideias para reciclar barris de vinho

 TAGS:undefinedPara além do seu lugar assegurado nas adegas, os barris de vinho podem ter muitas outras funções.

Alguma vez pensou em usá-los como decoração?

Aqui vão algumas ideias. Anote!

Utilizado como balde de gelo

Após cumprir a função original e uma vez cortados a meio, os barris podem encher-se com gelo e servir como recipiente de bebidas frescas em eventos e comemorações organizados para espaços de tamanho médio.

Como cofre ou baú

Depois de restaurado, o barril de vinho pode ser utilizado como baú para guardar o que desejar. Graças à beleza da madeira, é um objeto útil para decoração.

E um candeeiro?

Outro modo de reciclar um barril, é transformando-o em candeeiro. Não é difícil, ainda que necessite um pouco de habilidade, basta perfurar o barril em vários pontos e introduzir um cabo eléctrico e uma lâmpada no seu interior. O resultado é um belo candeeiro de jardim.

Como mesa

Neste caso devemos cortar o barril a meio. A sua forma circular é ideal para uma mesa de apoio, e qualquer casa de estilo rural agradece a sua presença.

Como apoio para diversos usos

Não é necessário um grande trabalho. O barril, pela sua altura, peso e largura, serva para suportar uma tábua ou uma superfície plana que permita servir como espaço de apoio num evento, por exemplo.

Como estante

Para transformar o seu barril em estante é preciso ter um pouco mais de trabalho, mas é simples, basta cortar os barris em “fatias” circulares e depois pendurar as suas estantes redondas onde quiser.

 TAGS:Old St Andrews Scotch Whisky Barril de Malta 10 AñosOld St Andrews Scotch Whisky Barril de Malta 10 Años

Old St Andrews Scotch Whisky Barril de Malta 10 Años: 4 pontos de 5 es la classificação que os utilizadores de Uvinum colocaram a Old St Andrews Scotch Whisky Barril de Malta 10 Años.

 

Cozinha indiana e vinho. Como harmonizar?

 TAGS:undefined

A comida picante e o vinho podem combinar-se maravilhosamente se escolhermos o vinho adequado. Alguns vinhos potenciam os sabores das especiarias que estes pratos habitualmente contêm, enquanto que outros os anulam completamente.

A cozinha indiana, uma das mais completas, necessita ser acompanhada de um bom vinho para que os seus pratos sejam ainda melhores. Por vezes não é fácil saber quais os vinhos que melhor combinam com o *caril*, o picante ou as chamuças. Por esta razão, hoje deixamos aqui algumas ideias sobre harmonização de cozinha indiana e vinho.

Caril de peixe

Na cozinha indiana é habitual encontrar caril de vitela, de frango e de peixe. Para este tipo de pratos podemos optar pelos vinhos brancos, ou inclusive um vinho do tipo Txacolí, a especialidade do País Basco.

 TAGS:Txacolí Gorrondona 2012Txacolí Gorrondona 2012

Txacolí Gorrondona 2012: Vinho branco com Denominação de Origem Txacoli De Bizcaia, das adegas Doniene Gorrondona Txakolina, elaborado com a casta Ondarrabi Zuri de 2012 e com 11.5º de graduação alcoólica.  

  

 

Especiarias indianas

Os sabores da cozinha tradicional indiana são protagonizados por uma grande quantidade de especiarias, tais como coentros, cominhos e funcho. São estas, misturas muito saborosas, tanto para as carnes como para o peixe, que podem chegar a ser bastante picantes. Para este tipo de condimento recomendam-se os vinhos Grenache e Syrah.

 TAGS:Montes Alpha Syrah 2011Montes Alpha Syrah 2011

Montes Alpha Syrah 2011: Vinho tinto com Denominação de Origem de Colchagua Valley, das adegas Montes, elaborado com Syrah de 2011 e com 14.75º de graduação alcoólica.

 

 

Para refrescar o paladar

Se os pratos forem muito picantes, algo bastante habitual, podemos acompanhar a refeição com vinho branco, rosé ou espumante.

 TAGS:Château la Rolière Côtes Du Rhône Brézème Rosé 2014Château la Rolière Côtes Du Rhône Brézème Rosé 2014

Château la Rolière Côtes Du Rhône Brézème Rosé 2014: Château la Rolière Côtes Du Rhône Brézème Rosé 2012

 

Outros vinhos brancos

Os vinhos que melhor acompanham este tipo de cozinha devem ser ligeiramente doces, de modo a equilibrar os sabores fortes destes pratos. Alguns deles são vinhos como o Alvarinho ou Riesling.

 TAGS:Hugel Et Fils Riesling Hugel Alsace 2012Hugel Et Fils Riesling Hugel Alsace 2012

Hugel Et Fils Riesling Hugel Alsace 2012: Vinho branco com Denominação de Origem da Alsácia, elaborado com Riesling de 2011 e 13º de graduação alcoólica.

 

 

 

Vinhos tintos

Para além dos brancos, os tintos também podem combinar bem com os pratos picantes indianos. Devem ser vinhos adocicados como o Cabernet Franc ou os vinhos do Loire.

 TAGS:Château Grand Pascaud - Bordeaux. 2010Château Grand Pascaud – Bordeaux. 2010

Château Grand Pascaud – Bordeaux. 2010: um vinhos tinto da D.O. Bordeaux realizado com merlot e cabernet Sauvignon da colheita 2010 e com um grau alcoólico de 13º. 

 

 

Truques para a tua prova de cerveja ser um êxito

 TAGS:undefined

Quase todos nós gostamos de cerveja, mas nem todos sabemos o suficiente sobre esta bebida. Se pretendes descobrir os pormenores mais interessantes para oferecer uma prova de cerveja, é importante a técnica passo por passo. Entre duas cervejas podem existir enormes diferenças que são apreciadas, sobretudo, na comparação. Referimo-nos à levedura, à espuma e ao sabor.

Como tal, aqui ficam as nossas recomendações para que a tua prova de cerveja seja um êxito:

  • Conhecer os tipos de cerveja: Ler informação sobre os tipos de cerveja pode ajudar a reconhecer as suas características e assim escolher melhor quais as que desejas provar. Recorda não escolher mais de 5 cervejas diferentes para cada prova.
  • Escolher os copos: Os copos ideais para cervejas fortes são arredondados enquanto que para a cerveja leve devem ser usados copos quadrados. Nas provas, habitualmente utilizam-se dois tipos de copos; um para o aspecto e outro para o gosto.
  • Não fumar: Se és fumador/a evita o tabaco antes e durante a prova de cerveja.
  • Manter a temperatura ideal:A cerveja deve encontrar-se entre 3 e 8 graus de temperatura no momento de proceder à prova. Há quem recomende retirá-la do frigorífico 10 minutos antes, já que, para apreciar os seus aromas, não deve estar muito fria ou quente.
  • Servir a cerveja:Para servir a cerveja, inclinar o copo 45º e deitar com uma distância que permita formar uma altura de espuma não superior a 2 cm. Agitar em círculos para começar.

Uma vez iniciada a tua prova de cerveja, deves avaliar os seguintes pontos:

  • Cor da cerveja: Pode ser branca, avermelhada, tostada ou preta. Aprecia a sua cor colocando o copo a contraluz e observa se é turva ou cristalina, estas 2 características dependem da filtração.
  • Espuma: *Na observação da espuma*, não só podes avaliar a sua espessura, como também ver se os poros de gás se encontram abertos ou fechados, assim como a sua persistência em copo. Menor persistência é sinónimo de maior graduação alcoólica.
  • Aroma: O aroma das cervejas de cereais pode ser terroso, herbal ou floral, dependendo da quantidade de malte ou trigo nela presentes. As cervejas douradas costumam apresentar um intenso odor de lúpulo e as escuras, aroma de malte, chocolate ou café. Também é possível identificar aromas frutados ou de especiarias em cervejas de alta fermentação.
  • Gosto: Recorda que os sabores ácidos são percebidos pelos lados da tua língua, os doces na frente e os amargos, na parte de trás da tua língua. Procura os sabores tostados dos cereais, depois o gosto amargo do lúpulo ou o adocicado do trigo. Procura também o sabor das frutas, especiarias, e o do álcool, que deixa uma ligeira ardência. Finalmente, procura o corpo da tua cerveja, podes apreciá-lo no paladar, através da sua textura, seja leve ou espumosa.

 

 TAGS:OrvalOrval

Orval: Uma cerveja trapista elaborada por baixa fermentação e produzida na Bélgica. Graduação alcoólica de 6º.

 

 

 TAGS:Leffe BlondeLeffe Blonde

Leffe Blonde: Cerveja de abadia belga, elaborada por alta fermentação e com 6.6º de graduação alcoólica.

 

 

O personal shopper da Uvinum responde: Que vinhos biodinâmicos recomendas?

 TAGS:undefinedOs vinhos biodinâmicos encontram-se em ascensão, a atenção que se lhes dedica traduz-se no número de eventos e no crescimento do interesse dos consumidores por este tipo de vinhos. Os clientes da Uvinum, evidentemente, não são excepção e, na verdade, uma das consultas mais recentes, colocadas ao nosso personal shopper diz respeito a recomendações de vinhos biodinâmicos disponíveis na Uvinum.

Deste modo, queremos aproveitar a publicação de hoje para expor as recomendações do nosso personal shopper e para que os nossos leitores saibam um pouco mais sobre estes vinhos e tenham um ponto de referência para poder começar a descobri-los.

 TAGS:undefined

O que são os vinhos biodinâmicos?

Tal como explicou a nossa colega Eli, numa publicação de Abril de 2014, os vinhos biodinâmicos procedem da agricultura biodinâmica, um conceito antigo, no qual se considera a vinha ou o terreno como um ser vivo onde se utiliza a menor tecnologia e tratamentos possível.

O objectivo é o de que a vinha desenvolva o seu próprio processo imunitário contra doenças, micróbios e insectos. Como? Fomentando os microrganismos e a biodiversidade, tendo em conta as energias naturais, seguindo um calendário biodinâmico (lunar) e utilizando preparados biodinâmicos.

Recomendações da Uvinum:

 TAGS:Vi de Lluna 2007Vi de Lluna 2007

Vi de Lluna 2007 é um vinho de Mas Estela com Denominação de Origem do Empordà, elaborado com as castas Grenache negra e Syrah de 2007. Graduação alcoólica – 15º.

 

 

 TAGS:Planetes de Nin 2011Planetes de Nin 2011

Planetes de Nin 2011: Vinho tinto com Denominação de Origem Priorat, elaborado com Grenache negra e Cariñena de 2011.

 

 

 TAGS:Recaredo 2008Recaredo 2008

Recaredo 2008: Espumante com Denominação de Origem Cava, elaborado com Xarel·lo e Parellada de 2008. Graduação alcoólica – 12º. Costuma acompanhar peixe azul e paelha, entre outros.

 

 

França

 TAGS:Marcel Deiss Grasberg 1Er Cru Blanc 2009Marcel Deiss Grasberg 1Er Cru Blanc 2009

Marcel Deiss Grasberg 1Er Cru Blanc 2009: Marcel Deiss elabora Marcel Deiss Grasberg 1Er Cru Blanc 2009, um vinho branco com Denominação de Origem da Alsácia da colheita de 2009.

 

 

 TAGS:Domaine de la Pinte Arbois Vin Jaune 62cl 2005Domaine de la Pinte Arbois Vin Jaune 62cl 2005

Domaine de la Pinte Arbois Vin Jaune 62cl 2005: Um vinho branco com Denominação de Origem de Vins de Savoie.

 

 

Domaine de la Pinte Arbois Vin Jaune 62cl 2005
Um vinho branco com Denominação de Origem de Vins de Savoie.

 TAGS:Domaine Gourt de Mautens Blanc 2012Domaine Gourt de Mautens Blanc 2012

Domaine Gourt de Mautens Blanc 2012: Domaine Gourt de Mautens Blanc 2012
Domaine Gourt de Mautens elabora este vinho branco com Denominação de Origem de Côtes Du Rhône e colheita de 2012.

 

 

Alemanha

 TAGS:Wittmann Westhofener Kirchspiel Riesling Grosses Gewächs 2013Wittmann Westhofener Kirchspiel Riesling Grosses Gewächs 2013

Wittmann Westhofener Kirchspiel Riesling Grosses Gewächs 2013: Vinho branco com Denominação de Origem de Rheinhessen elaborado com Riesling de 2013.

 

 

 TAGS:Walter Riesling Pündericher Marienburg Trocken 2013Walter Riesling Pündericher Marienburg Trocken 2013

Walter Riesling Pündericher Marienburg Trocken 2013: Vinho branco com Denominação de Origem Mosel, das adegas Weingut Walter e com as melhores uvas Riesling de 2013 – Graduação alcoólica 12.9º.

 

 

Itália

 TAGS:Cascina Degli Ulivi Bellotti Rosso 2013Cascina Degli Ulivi Bellotti Rosso 2013

Cascina Degli Ulivi Bellotti Rosso 2013: Vinho tinto com Denominação de Origem de Barbaresco, colheita de 2013.