Etiqueta: coração

10 benefícios da cerveja

 TAGS:undefinedJá há muito que se conhecem os benefícios do vinho sobre a saúde mas agora ele tem concorrência: a cerveja, que começa a erguer-se como outra das bebidas com várias vantagens sobre o nosso organismo de modo geral. Hoje descrevemos 10 delas:

  1. Boa para o coração: Um número considerável de estudos, conclui que o consumo, sempre moderado, de cerveja diminui as doenças cardiovasculares em 30%. 
  2. Contra a artrite: Os estudos efectuados com cerveja informam que as mulheres que consumiam níveis moderados de cerveja eram menos propensas a desenvolver artrite reumatóide em 22%.
  3. Estimula o cérebro: Uma cerveja por dia ajuda a reduzir o aparecimento de algumas doenças relacionadas com a memória.
  4. Rica em potássio: Por essa razão tem efeito diurético.
  5. Diminui a tensão: Bebendo cerveja com moderação existem menos possibilidades, a longo prazo, de ter a tensão arterial alta.
  6. Vitamina B: Fornece doses elevadas de vitamina B, o que é vantajoso a vários níveis, como por exemplo na regeneração de células.
  7. Útil para os ossos: Tal como o magnésio e o fósforo, outros minerais presentes na cerveja, ajudam a prevenir doenças relacionadas com os ossos.
  8. Antioxidante: Fornece antioxidantes naturais o que a torna útil no processo de atrasar o envelhecimento da pele.
  9. Não engorda: Ao contrário do que se costuma dizer, a cerveja, consumida com moderação, não é responsável pelo aumento de peso. Esta foi a conclusão de um estudo realizado pela Universidade de Londres com cerca de 2.000 consumidores de cerveja.
  10. Extremamente hidratante: Proporciona maior hidratação que qualquer tipo de refrescos, para além de que contém muito menos quantidade de açúcar.

De modo que já sabes, bebe cerveja! : ) Sempre com moderação, isso sim.

Hoje recomendamos:

 TAGS:Delirium TremensDelirium Tremens

Delirium Tremens, cremosa, com corpo e sabor suave

 

 

 TAGS:Innis & Gunn OriginalInnis & Gunn Original

Innis & Gunn Original, a cerveja escocesa mais vendida

 

O vinho tinto contra o enfarte e o cancro

 TAGS:Estudos recentes confirmam o efeito protetor das uvas e do vinho tinto sobre os problemas de coração e atribuem-lhe ainda mais uma vantagem: a prevenção de tumores. Qual é a chave? Os flavonóides,  substâncias também presentes no chá e em algumas verduras.

O Deus Baco, ou Dionísio, daria saltos de alegria se soubesse que a ciência descobriu  finalmente o poder das uvas tintas e do vinho tinto sobre a prevenção de enfartes, ataques cerebrais e alguns tumores. Descobriram-se as propriedades antioxidantes das sementes das uvas utilizadas na fabricação do vinho tinto. As sementes contêm flavonóides, também presentes em algumas verduras (especialmente nos brócolos, repolho e couve-flor), na maior parte das frutas e no chá.

Os flavonóides explicam o porquê do vinho tinto ter sido indicado (sempre que se consuma um máximo de dois copos diários) como protetor do coração, do cérebro e das artérias. Estas substâncias podem ajudar pacientes com diabetes, arteriosclerose, cirurgia de by-pass e transplantes de fígado, através da sua ação antioxidante e antitóxica.

Os flavonóides, tal como outros antioxidantes como o selénio, o zinco, betacaroteno, vitaminas C e E, são hoje em dia prescritos de forma a prevenir problemas cardiovasculares e a retardar o aparecimento de tumores e cataratas oculares. Também são habitualmente utilizados no combate ao stress agudo ou crónico, na exposição excessiva aos raios solares e em situações de sobrecarga de medicação para o fígado.

Em relação aos antioxidantes do vinho, uma das últimas investigações indica que beber dois copos de vinho por dia reduz a mortalidade por problemas cardiovasculares num 35%, e um 20% nas causas de cancro. Um 20% do ar que se respira é oxigénio e 1% do gás absorvido pelo organismo é transformado em radicais livres compostos, que bombardeiam as células e provocam diferentes modificações negativas, como a transformação do colesterol na substância básica das placas obstrutivas das artérias. Os antioxidantes neutralizam os danos causados pelos radicais livres do oxigénio.

Por esta razão, os médicos costumam receitar antioxidantes a partir dos 35, 40 anos, especialmente a pessoas com diabetes, tabagismo, obesidade, sedentarismo, antecedentes hereditários de problemas cardiovasculares e colesterol elevado. Também se receitam a pacientes com angina de peito, insuficiência vascular cerebral e enfarte.

Também parece, que devido à falta de tempo dos nossos dias para realizar uma alimentação equilibrada, os suplementos antioxidantes terão uma forte presença no mercado, de modo a aumentar a esperança media de vida. De forma que comprem vinho e tomem um bom copo de tinto! Saúde!