Harmonizar vinho e massas? Há vida mais além do Lambrusco!

 TAGS:undefinedJá muitos sabemos que a harmonização é uma arte que através do tempo e da experiência se vai aperfeiçoando. As nossas recomendações de hoje não fazem parte de uma ciência exacta, mas são, no entanto, boas opções para saborear massas e vinhos. Para além dos gostos pessoais, que são quase tantos como pessoas, os nossos conselhos têm a intenção de lhe proporcionar mais opções de combinações com massas., fugindo ao costumado Lambrusco.

Chaves para harmonizar la pasta em função do seu sabor

Normalmente, o sabor das massas está relacionado com o tipo de molho que a acompanhantes e é por essa razão que aqui se apresenta uma lista dos vinhos mais adequados para cada molho:

Molhos ou acompanhamentos à base de verduras – o ideal é escolher um vinho rosé com corpo e acidez

Molhos à base de pesto e cogumelos – Uma delicia melhorada quando acompanhada de brancos envelhecidos ou um Sauvignon blanc.

Molhos de tomate – são provavelmente os pratos mais populares, e igualmente saborosos. É recomendável harmonizá-los com vinhos rosé suaves, já que a sua acidez é bastante equilibrada para o tomate. Se prefere manter a tradição italiana, acompanhe com Chianti

Massas com marisco e peixe – a melhor escolha são os brancos, especialmente um Pinot ou um Malvasía. Se preferir, pode e debe acompanhar com um bom cava ou champanhe seco.

Massas com carnes- um bom vinho tinto, encorpado, proporciona uma satisfação total ao paladar.

Massas suaves – com um pouco de mozzarella, vinagreta ou azeite de manjericão, casam bem com os vinhos rosé.

Agora já não tem desculpa para não preparar a sua massa preferida ou brindar-se com uma bela refeição de massa num restaurante italiano, evidentemente com a companhia do seu vinho preferido. Bom apetite!

 TAGS:Quinta do Portal Rosé 2014Quinta do Portal Rosé 2014

Quinta do Portal Rosé 2014

 

 

 TAGS:Quinta Vallado Douro Branco 2015Quinta Vallado Douro Branco 2015

Quinta Vallado Douro Branco 2015

 

 

Vinho da Roma Antiga

 TAGS:undefinedImagine que pode provar o vinho que bebiam os habitantes do antigo Império Romano… esta fantasia pode converter-se em realidade, graças ao estudo efectuado nas ruínas das adegas onde estes vinhos eram elaborados.

Um produtor de vinho, perto de Portland, no Estado de Oregon, está a produzir as primeiras remessas de um vinho que aplica as mesmas técnicas que os romanos utilizavam há mais de 2000 anos.

O Professor de Cerâmica Andrew Beckham e a sua esposa Annedria cultivaram Chardonnay e Pinot noir, seguindo as instruções da viticultora italiana Elisabetta Foradori. Beckham reproduziu as ânforas originais, baseando-se nos desenhos de recipientes romanos, potes portugueses (as tinajas espanholas) e no Kvevri da Georgia. Através do desenho destas peças descobriu que as formas afetavam grandemente as características do vinho resultante.

A porosidade da argila incrementa a exposição dos vinhos ao oxigénio durante o seu envelhecimento, o que produz taninos mais suaves e aumenta os aromas de nozes, chocolate e fruta cozida. O produtor afirma que obtém os mesmos resultados dos barris de carvalho, habitualmente utilizados no envelhecimento de vinho, mas em metade do tempo que os barris necessitam.
Hoje em dia, Andrew Beckham elabora vinhos fermentados em ânforas e desenvolvidos em madeira; fermentados e desenvolvidos em ânforas; fermentados em ânfora e de envelhecimento misto, cada um deles de características particulares e grande potencial. Os sabores destes vinhos, são, de um modo geral, frutados e subtis, e aquele que mais destaca, elaborado exclusivamente em argila, apresenta um belo vermelho-rubi, com aromas de ameixas, amoras, chocolate e canela.
Um vinho realmente inédito nos últimos séculos…

 TAGS:Augustus Merlot-Syrah 2014Augustus Merlot-Syrah 2014

Augustus Merlot-Syrah 2014

 

 

 TAGS:Augustus Blanc Chardonnay 2014Augustus Blanc Chardonnay 2014

Augustus Blanc Chardonnay 2014

Talvez a cerveja possa prevenir o cancro de mama

 TAGS:undefinedTalvez um dos principais ingredientes da cerveja, o lúpulo, possa contribuir para a prevenção do cancro da mama. Esta conclusão é a consequência de um estudo realizado por especialistas da Universidade de Illinois, Chicago, publicado pela revista britânica Daily & Sunday Express.

O lúpulo, uma planta aromática trepadeira, é a responsável pelos sabores amargos, assim como os toques de especiarias ou citrinos, foi submetida a investigações que a relacionam com os níveis hormonais masculinos e femininos. Este estudo indica ainda a probabilidade de que o lúpulo possa activar os compostos químicos que inibem o desenvolvimento de tumores.

Os investigadores usaram extracto de lúpulo em dois tipos diferentes de células mamárias para conhecer o efeito do metabolismo dos estrogénios das células, partindo da base (já comprovada) de que um metabolismo mais lento aumenta o risco de cancro da mama.

No lúpulo encontrou-se a presença de um activo chamado preninalringenina (6-PN), um prenilflavonoide com capacidade para aumentar a taxa de metabolismo dos estrogénios, o que seria de grande ajuda em futuras investigações sobre a eficácia deste composto contra o cancro.

O 6-PN é um potente fitoestrogénio, que, uma vez ingerido, altera a actividade das hormonas. Algumas mulheres podem chegar a ter interrupções nos seus ciclos menstruais, e usado no tratamento da pós-menopausa diminui a transpiração noturna, calores e insónia.

A equipa de investigação também encontrouum activo semelhante, preninalringenina (8-PN), aparentemente menos eficaz, mas também objeto de futuros estudos.

 

 TAGS:Grimbergen Optimo BrunoGrimbergen Optimo Bruno

Grimbergen Optimo Bruno

 

 

 TAGS:Westvleteren 12Westvleteren 12

Westvleteren 12

Perder peso? Dieta com vinho!

 TAGS:undefinedSe está a fazer dieta e o vinho faz parte das suas prioridades, não perca as receitas que hoje publicamos. Tome nota!

Vinho e presunto

Dois produtos de combinação irresistível e que podem ajudar a perder peso. Talvez lhe pareça impossível, porém, o Instituto Médico Europeu da Obesidade (IMEO), elaborou uma dieta gourmet que inclui vinho tinto e presunto ibérico.

Com esta dieta pode perder entre 4 e 6Kg, aproximadamente, sempre que o consumo seja moderado. Os responsáveis pela criação da dieta acrescentam que o presunto ibérico fornece ferro e vitaminas do grupo B, e que o seu conteúdo em gorduras saturadas é reduzido, tendo, pelo contrário, uma elevada presença de ácidos gordos monoinsaturados, como o ácido oleico.

A dieta do vinho e presunto substitui alimentos tradicionalmente usados para emagrecer; o peixe e as verduras.

Vinho e chocolate

Dupla excelência… As suas possíveis combinações criam harmonizações e provas simplesmente fantásticas. Esta dieta foi proposta pelo Professor Tim Spector, do King College de Londres, que estabelece algumas das melhores opções para activar o movimento intestinal e incrementar a reprodução de bactérias intestinais benignas, que ajudam a reduzir o peso. Os alimentos indicados são o queijo, o vinho e o chocolate, e a proposta inclui a recomendação de uma alimentação o mais variada possível. A explicação reside no facto de quanto maior for a variedade, maior é também a diversidade de organismos presente no nosso sistema digestivo, o que aumenta a qualidade da saúde e a capacidade para queimar gorduras.

Vinho e ovos

Parece ser que o nosso organismo agradece a combinação do vinho com outros alimentos. O ovo é o alimento que mais facilita um baixo consumo de energia, e, por outro lado, juntamente com o vinho, proporciona uma elevada quantidade de proteínas e menos hidratos de carbono.

 

 TAGS:Quinta do Vale Meão 2013Quinta do Vale Meão 2013

Quinta do Vale Meão 2013

 

 

 TAGS:Meandro 2013Meandro 2013

Meandro 2013

Bon appétit! Gastronomia francesa para iniciados

 TAGS:undefinedUm dos modos de organizar uma harmonização é associando-a à estação do ano. A gastronomia francesa, considerada como uma das mais importantes a nível mundial, é extremamente aromática, o qual, combinado com as suas texturas, densidade e um vinho encorpado, cria uma união perfeita para o Inverno. Hoje trazemos-lhe alguns exemplos de pratos característicos deste país. Bon appétit

Crepes: podem ser doces ou salgados. A nossa preferência vai para o crepe de cogumelos e fiambre e para o crepe da Normandia, com gambas e queijo gruyère. Acompanhe com sidra.

Salada Niçoise: típica da Região da Cote D’Azur, no Sul de França, é feita com alface, atum, cogumelos e batata. Para beber, pode escolher um rosé seco; Syrah, Pinot noir ou Cabernet sauvignon.

Creme de abóbora: é uma opção perfeita para a época em que acabamos de entrar. Acompanhar com vinho espumante.

Quiche Lorraine: feita com massa quebrada e recheada de presunto ou toucinho, curgete, queijo emmental e cebola. É recomendável ser acompanhado de um vinho branco novo e frutado.

Parmentier de foie: à base de batata, foie de pato, natas, ervas aromáticas e um pouco de vinho do Porto, pode ser acompanhado com este último ou com um tinto encorpado e redondo.

Sobremesas: algumas das opções da, excelente, pastelaria francesa são a Tarte Tatin e o Bolo Saint-Honoré, ambos podem vão bem com um tinto leve.

 

 TAGS:M. Chapoutier la Bernardine 2011M. Chapoutier la Bernardine 2011

M. Chapoutier la Bernardine 2011

 

 

 TAGS:M. Chapoutier Bila Haut Occultum Lapidem 2014M. Chapoutier Bila Haut Occultum Lapidem 2014

M. Chapoutier Bila Haut Occultum Lapidem 2014

 

Harmonizações imbatíveis com vinho rosé

 TAGS:undefinedUma das coisas que mais apetece no Verão é beber um rosé junto ao mar. Frescos e com aromas de fruta, os rosés mais ambiciosos podem harmonizar-se com vários alimentos. 

Os rosés da Toscana servem-se com massas e aperitivos, como por exemplo os crostinis; tostas variadas com tomate, paté, carne, peixe, queijos e verduras. Os rosés australianos vão bem com queijos suaves, e os de Espanha e Portugal, normalmente são aconselháveis com peixe e determinadas carnes.
É preferível servi-lo frio, mas não excessivamente: um pouco acima da temperatura do vinho branco e mais frio do que um tinto.
Agora venha conhecer alguns dos alimentos que este vinho pode, e deve, regar.

Vinho rosé e carne
Embora o casamento preferido, ou mais habitual, do rosé seja com peixe, a carne é uma boa surpresa. É recomendável ser acompanhado por enchidos e carnes vermelhas, especialmente se forem vinhos de cor vermelha intensa e com um pouco mais de corpo. A uva Monastrell harmoniza com carne de porco, especialmente, assada na brasa.

Com marisco
O rosé mais leve é perfeito com marisco, sobretudo os vinhos de aroma e paladar frutados, que têm a capacidade de realçar os sabores de determinados mariscos.

Com peixe
Para além do branco, o rosé é um dos vinhos que melhor combina com todo o tipo de peixe, ainda que o peixe branco seja o favorito.

Com queijo
São muito bons aliados. O queijo de cabra, camembert ou brie e rosé formam uma união muito equilibrada de sabores.

Com massas e saladas
Os pratos frescos e leves de Verão, como massas e arrozes, harmonizam bastante bem com a suavidade e frescura do rosé.

Com fruta
Com sobremesas e fruta vão sempre bem.

 

 TAGS:Quinta do Portal Rosé 2014Quinta do Portal Rosé 2014

Quinta do Portal Rosé 2014

 

 

 TAGS:Mateus RoseMateus Rose

Mateus Rose

 

 

É possível harmonizar vinho e fruta?

 TAGS:undefinedSe for um amante do vinho, tal como nós, certamente gosta de o tomar acompanhado pelos seus pratos e petiscos preferidos. E aproveitando o calor dos últimos dias, decidimos publicar algumas propostas de harmonização de vinho e fruta.

No geral, muitos vinhos leves, doces e frutados vão bem com fruta, mas também é recomendável experimentar combinações com vinho rosé e vinho espumante, já que os seus pratos ficarão a ganhar com a companhia.

Recomendações especiais

A manga é, sem dúvida, uma das frutas mais deliciosas com que a mãe natureza nos brindou. Para além de ser extremamente popular, especialmente no Verão, é fácil encontrar esta fruta entre os ingredientes de uma salada ou sobremesa nesta época do ano.
O Riesling é uma boa opção para acompanhar pratos que incluam manga, já que ambos estabelecem uma certa sintonia cítrica. Também pode optar por um Sauvignon blanc cítrico e já maduro.

Se o prato for um pouco mais pesado; frango ou peixe com molho de manga, por exemplo, um Chardonnay doce será uma grande escolha.
Quando a preferência recai sobre a laranja, o pêssego, ou os morangos, o melhor é procurar um vinho tinto frutado e fresco, e se puder, leve um Pinot noir.

Uma das boas sobremesas tradicionais do Mediterrâneo, os pêssegos macerados em vinho, é bastante fácil, delicioso e recomendado para esta época.

Saladas e moscatel

Finalmente, não deixe passar a possibilidade de um encontro entre vinho de uva moscatel e uma salada de Verão. Ainda que sejam vinhos, geralmente, com mais corpo harmonizam muito bem com a frescura da fruta de textura média.

 TAGS:Naia 2015Naia 2015

Naia 2015

 

 

 TAGS:Ekam 2015Ekam 2015

Ekam 2015

10 grandes regiões vinícolas francesas

 TAGS:undefinedQuais são as 10 regiões vinícolas francesas mais importantes? Oferecemos-lhe um resumo, nas próximas linhas, sobre cada uma destas zonas e porque são tão especiais os vinhos que produzem.

Bordeaux: Merlot e Cabernet sauvignon, principalmente para os tintos, e Sémillon, Muscadelle e Sauvignon blanc para os brancos. Bordeaux une a tradição ao prestigio, e talvez por essa mesma razão seja o vinho francês de maior fama e exportação. São vinhos particulares, inclusive na sua localização; exactamente entre o Polo Norte e o Equador.

Bourgogne: as castas principais desta enorme região são a Chardonnay e a Pinot noir. Ao contrário do que sucede em Bordeaux, aqui as características do solo primam sobre o produtor e o tipo de vinho. Em Bourgogne há mais de 400 tipos diferentes de solo, o que se traduz numa produção que reúne vários dos vinhos mais caros do mundo.

Champagne: o segredo desta região, famosa em todo o mundo pelo champanhe e vinhos espumantes, é o clima. Devido às baixas temperaturas presentes durante o ano, as uvas são impedidas de amadurecer; o ponto exacto para os espumantes.

Vallée du Rhône: as margens do Rio Rhône produzem diferentes vinhos, dependendo a que altura do caudal se localizam as vinhas. Equilibrados e com personalidade, os vinhos desta região possuem uma qualidade que lhes permite ser alguns dos vinhos favoritos na Europa.

Alsace: a região, com influência germânica, pode orgulhar-se dos seus brancos; a Riesling e a Gewürztraminer que lhe dão um toque de Europa central, e a Silvaner, que produz um vinho de menor acidez. Esta é uma uva delicada e as suas características modificam-se em função do solo onde cresce.

Jura: vinhos de grande qualidade e com uma modesta produção anual. Uma pequena jóia francesa com pérolas como a Savagnin, uma uva autóctone, com a qual se elabora um vinho branco de intensa cor amarela. Também é de aqui que vem o vinho da palha e o vinho licoroso Macvin. A Trousseau e a Poulsard são, juntamente com a Pinot noir, as grandes responsáveis pela produção de tintos e rosés desta região.

Savoie: ainda que se considere parte da região que inclui Jura e Bugey, a verdade é que merece ser considerada individualmente. Muitas das suas variedades de uva apenas podem ser encontradas aqui, como é o caso da Jacquère, vinho branco, e a Mondeuse, vinho tinto.

Loire: é especialmente conhecida pelos seus vinhos brancos, ainda que alguns dos tintos, frutados e frescos, mereçam destaque.

Languedoc Rosellón: só a Região de Languedoc diz respeito à maior área vinícola francesa. Os vinhos, de carácter mediterrânico, são produzidos por uma das zonas menos beneficiadas pelo trabalho de marketing, embora o mesmo não suceda em relação ao enoturismo.

Provence: uma das regiões mais antigas e com maior tradição de produção de vinho. Excelente rosé, embora, se aquilo que pretende é um vinho tinto, o melhor será esperar que o envelhecimento faça o seu trabalho nos vinhos jovens.

Conhece os vinhos de todas as regiões francesas? Quais são as suas preferidas? Nós recomendamos:

 TAGS:Château Lafargue 2011Château Lafargue 2011

Château Lafargue 2011

 

 

 TAGS:Mumm Cordon RougeMumm Cordon Rouge

Mumm Cordon Rouge

Buon appetito! Gastronomia italiana para iniciados

 TAGS:undefinedClaro que em Itália há vida para além da pizza, e tudo com muita cor; os verdes das ervas aromáticas, os vermelhos do tomate e do pimento, os diversos brancos e amarelos dos seus excelentes queijos e as corres terra dos vários tipos de cogumelo.

A gastronomia italiana está repleta de gozo visual e sabores equilibrados de paladar. Aqui deixamos alguns dos pratos mais habituais:

Massas: Sempre deliciosas. Com molho de tomate fresco, cogumelos, manjericão ou simplesmente um bom azeite virgem, estes pratos são excelentes acompanhantes de um vinho Merlot, Carmenère ou Shiraz, ou de um rosé à base de Syrah. Neste tipo de harmonização, também são bem-vindas os pratos de massa como os gnocchi à romana, com natas e cogumelos, o rigatone com ragu de lebre e doce de mirtilos, os cappellacci di Zucca e o penne rigate com ragu de cabrito, ou ainda, a massa com grão-de-bico e curgete. Se o seu prato preferido for lasanha, abra um Cabernet sauvignon.

Arrozes: Em Itália, arroz é sinónimo de risotto; um arroz tradicional cozido em caldo e com um tempo de elaboração extremamente preciso. Duas das receitas mais famosas de risotto (existem inúmeros modos de preparação) têm origem na Região de Veneto: o risotto ai funghi e o risi e bisi, que significa arroz com ervilhas. Em relação aos vinhos para acompanhar este prato, o ideal são brancos como o Chardonnay, Pinot grigio e Pinot blanc.

Polenta: A polenta, farinha de milho, procede do Norte de Itália. É um prato polivalente e muito saboroso, especialmente aquele que se prepara com cogumelos. Não duvide em acompanhar a polenta de um vinho Malbec ou Syrah. 

Sopas: No Inverno são imprescindíveis. Uma das nossas preferidas é a sopa de grão-de-bico e castanhas frescas, elaborada, sobretudo, no centro de Itália. Outra opção é o famoso minestrone. Acompanhe com Pinot noir ou Merlot.

Sobremesas: É um apaixonado por doces? Não perca os biscoitos meini, normalmente feitos para o Dia de Todos os Santos, a Schiacciata all’uva; uma foccaia com uvas da Região da Toscana feita em Setembro. Mas a lista não termina aqui; pode deliciar-se com o Shwarzplententorte; uma tarte de maçã e trigo mourisco, tradicional no Norte de Itália, e a conhecida Panna Cotta, que significa “creme” e vem de Piemonte. Harmonizar com vinho branco, seja seco, seja doce.

 

 TAGS:Tommasi Chiaretto Bardolino Rosé 2015Tommasi Chiaretto Bardolino Rosé 2015

Tommasi Chiaretto Bardolino Rosé 2015

 

 

 TAGS:Comincioli Chiaretto DiamanteComincioli Chiaretto Diamante

Comincioli Chiaretto Diamante

Uvinum, prémio IWC conferido à melhor loja de vinhos online 2016

A equipa da Uvinum está realmente feliz por poder partilhar esta notícia consigo! Durante a semana passada decorreu o prestigiado certame – The International Wine Challenge – pela primeira vez em Espanha, e onde a Uvinum foi reconhecida como sendo a melhor loja de vinhos online.

 TAGS:undefined

O júri internacional do certame concedeu o prémio à Uvinum dada a sua “fantástica selecção, grande variedade e disponibilidade de produtos. Uma loja online com muita intuição, que une um excelente design e um fácil acesso a serviços como o chat online, especialmente dirigido a um público mais jovem, e com uma inteligente utilização de promoções online“.

Prémios como este dão-nos ainda mais vontade de continuar a proporcionar-lhe os melhores vinhos, destilados e cervejas ao melhor preço; a nossa razão de existência, desde que Nico, Albert L. e Albert G. fundaram a Uvinum, em 2009, com o objetivo de responder às necessidades dos novos consumidores.

Somos conscientes de que este prémio se deve também a vocês; os nossos clientes. E porque graças a si, que nos escolhe como ponto de venda e nos consulta sobre as suas dúvidas, não queremos deixar passar este momento sem lhe dizer Obrigado pela sua confiança. Desejamos continuar a partilhar consigo esta paixão pelo vinho, durante muitos mais anos.

Saúde e Obrigado!