Estudos: o vinho e os casais

 TAGS:undefinedSendo moderado, o consumo de álcool pode trazer grandes benefícios, seja a nível de saúde, como de qualidade de vida de um modo geral, o que, evidentemente, inclui as relações emocionais, sexuais, e a vida a dois.

Um novo estudo, organizado pela Universidade de Michigan, nos EUA, concluiu algo surpreendente em relação aos hábitos de consumo e os casais. Segundo esta análise, os casais com mais de 50 anos e com hábitos semelhantes em relação ao consumo de álcool (partidários ou abstémios) tendem a apresentar mais “sintomas de felicidade”, em comparação com os casais de diferentes hábitos.

Um dos dados revelados por este estudo (e com o seu peso), é que as esposas (amantes, namoradas ou qualquer outra definição que desejem) que se manifestaram insatisfeitas com as suas relações, consumiam álcool, porém sem que o seu companheiro o fizesse.
Segundo o estudo: “As esposas com hábitos de consumo de álcool afirmaram que a qualidade da relação era melhor quando os seus companheiros tinham o seu mesmo hábito, por outro lado, o resultado foi inverso, nos casos em que “eles” não bebiam”.

A Dra. Kira Birditt foi a autora desta análise aplicada a 2.767 casais, entre os anos 2006 e 2016. Todos os participantes foram entrevistados pelos estudiosos e submetidos a um questionário sobre os seus hábitos de consumo: qual a frequência de consumo, qual a quantidade ingerida, etc. Estes casais responderam também a um inquérito sobre o seu casamento ou relação, qualidade da mesma, e aspectos menos agradáveis do outro; demasiado crítico, pouco fiável, e mesmo irritante. O tempo médio de relação destes casais é de 33 anos, e pelo menos ? de esta amostra, viviam com o seu primeiro e único companheiro.

Se deseja saber mais sobre este estudo, click aqui. E recorde sempre: o consumo de álcool em excesso pode ser realmente grave para a saúde.

 

 TAGS:El Novio Perfecto 2015El Novio Perfecto 2015

El Novio Perfecto 2015

 

 

 TAGS:La Novia Ideal 2015La Novia Ideal 2015

La Novia Ideal 2015

 

3 filmes em que o Champanhe é protagonista

 TAGS:undefinedTal como uma taça de bom champanhe, a sétima arte constitui um prazer para os sentidos, e a verdade é que esta bebida já gozou alguns momentos de glória no grande ecrã. Existem pelo menos 3 filmes de referência em que o Champanhe actuou como protagonista.

James Bond: Já é um clássico no Reino Unido, e talvez também no mundo inteiro. O glamour e a exclusividade estão presentes em cada um dos filmes da saga, portanto, não podia faltar o Champanhe. O nosso espião tem bom gosto: Bollinger e Dom Pérignon, pois claro!

Champagne: Evidentemente que este filme tinha que estar na lista. A famosa obra do realizador Alfred Hitchcock, um filme mudo que decorre nos anos 20, conta-nos a história de uma rapariga que gozava de uma boa vida devido ao negócio do seu pai; o champanhe. O início e o final de este filme é constituído pela conhecida imagem de uma grande taça de champanhe, uma imagem copiada inúmeras vezes ao longo do percurso cinematográfico.

O Grande Gatsby: Do cinema actual, existe esta versão baseada na obra de F. Scott Fitzgerald, em que Leonardo DiCaprio desempenha o papel protagonista: Gatsby. O champanhe estava presente em todas as grandes festas representadas no filme, já que não podia faltar espumante nas diversões da época. Ainda que o livro de Scott Fitzgerald não mencione nunca qualquer tipo de Casa ou marca específica, os guionistas do filme de 2013 decidiram adoptar a marca Moët & Chandon, que aparece ao longo de todo o filme. No fundo, são mais de 2h de publicidade à casa francesa.

“Muito de seja o que for talvez seja mau, porém, muito champanhe é exactamente aquilo que se necessita”.

 

 TAGS:Moët & Chandon Brut ImpérialMoët & Chandon Brut Impérial

Moët & Chandon Brut Impérial

 

 

 TAGS:Moët & Chandon Ice ImpérialMoët & Chandon Ice Impérial

Moët & Chandon Ice Impérial

O vinho biológico sabe melhor?

 TAGS:undefinedOs vinhos biológicos estão em crescimento, tanto em Portugal, como Espanha, e nos países como França, em que a actividade biológica há já tempo que ganhou terreno no consumo. Mais do que uma moda, é uma tendência, que confere valor ao produto e minimiza o impacto ambiental derivado da acção humana.

Apesar de tudo, será que podemos afirmar que o vinho biológico é melhor do que o vinho convencional? Nos Estados Unidos e em França foram levados a cabo alguns estudos sobre esta possibilidade, e tudo parece indicar que, em condições semelhantes, o vinho biológico possui melhor sabor que os outros vinhos.

O estudo dos EUA, publicado pelo portal francês Notre-planet.info, foi conduzido pela KEDGE Business School e pela Universidade da Califórnia em LA (UCLA), e indica que os vinhos biológicos certificados da Califórnia têm melhor sabor, frente aos vinhos que não possuem esta garantia.

Para realizar o estudo, os responsáveis basearam-se em mais de 74.000 referências avaliadas pelos especialistas de: The Wine Advocate, Wine Enthusiast e Wine Spectator. Após as devidas ponderações, o resultado concedeu aos vinhos biológicos uma média de 4,1 acima dos vinhos convencionais, numa escala de 100 pontos.

Ainda que estes resultados digam respeito apenas àqueles vinhos elaborados na Califórnia, por outro lado, em França, foi realizado um estudo sobre o mesmo tema, e que apresenta conclusões preliminares semelhantes, sendo os resultados definitivos ainda desconhecidos.

Este estudo é actualmente desenvolvido pela KEDGE Business School, e ao que parece indica que também em França o vinho biológico sabe melhor.

Pela nossa parte, e como sempre, a Uvinum defende que o melhor vinho é aquele de que mais gosta quem o bebe, o que aliás pode depender muitos outros factores como, a companhia, o estado de espírito e a harmonização.

No entanto, e verdade seja dita: a viticultura que tem em conta o ambiente, respeitando-o, contribui para enriquecer o Meio, a terra e a biodiversidade; o que representa um enorme benefício para todos, incluindo o vinho.

 TAGS:Albet i Noya 3 Macabeus 2015Albet i Noya 3 Macabeus 2015

Albet i Noya 3 Macabeus 2015

 

 

 TAGS:Serras del Priorat 2014Serras del Priorat 2014

Serras del Priorat 2014

A visitar: os grandes Chateaux do vinho

 TAGS:undefinedSem dúvida que o vinho move multidões, porém, aqueles mais excêntricos e conhecedores; os bebedores rigorosos, procuram as casas mais especializadas onde se produz vinho de gama alta. Comecemos por França, onde nascem alguns dos melhores vinhos do mundo:

Lafite-Rothschild: casa de la legendaria família Rotschild, é uma das mais antigas e respeitadas produtoras vitivinícolas; cria arte engarrafada. Como todos, sofreu altos e baixos durante a sua existência, mas agora obteve o estatuto que lhe é devido. Foi nomeada “Casa Líder de Vinhos”, pela primeira vez, em 1855, título conservado até hoje, devido à excelente qualidade dos seus produtos.

Angelus: esta casa possui o estatuto “Casa Premier Gran Cru Clase A”. As suas vinhas têm uma qualidade excepcional, que não se encontra em nenhum outro lugar, e ainda uma reputação transparente e intacta. Como curiosidade, consta que o seu nome deriva do facto de os trabalhadores das vinhas conseguirem ouvir os cantos praticados nas três igrejas circundantes.

Margaux: as garrafas de vinho aqui produzidas custam, normalmente, algumas centenas de euros, mas esta não é a base do seu verdadeiro valor e sim a sua longa tradição de produção que teve início no séc. XII. A família Lestonnac tomou a direção deste negócio (com uma fama de 400 anos) e desde então a casa converteu-se em ícone da enologia. No entanto, nem tudo foram rosas; durante a revolução francesa sofreram muitos problemas, até que, cerca de 1870, a casa foi resgatada por um ambicioso Marquês, que soube devolver-lhe a sua história e exclusividade.

Se está nos seus planos passar por França, aproveite. Esta é uma boa oportunidade para conhecer três das melhores casas de vinho…do mundo!

 

 TAGS:Carruades de Lafite 2010Carruades de Lafite 2010

Carruades de Lafite 2010

 

 

 TAGS:Château Margaux 1999Château Margaux 1999

Château Margaux 1999

 

 

Harmonizar vinho e massas? Há vida mais além do Lambrusco!

 TAGS:undefinedJá muitos sabemos que a harmonização é uma arte que através do tempo e da experiência se vai aperfeiçoando. As nossas recomendações de hoje não fazem parte de uma ciência exacta, mas são, no entanto, boas opções para saborear massas e vinhos. Para além dos gostos pessoais, que são quase tantos como pessoas, os nossos conselhos têm a intenção de lhe proporcionar mais opções de combinações com massas., fugindo ao costumado Lambrusco.

Chaves para harmonizar la pasta em função do seu sabor

Normalmente, o sabor das massas está relacionado com o tipo de molho que a acompanhantes e é por essa razão que aqui se apresenta uma lista dos vinhos mais adequados para cada molho:

Molhos ou acompanhamentos à base de verduras – o ideal é escolher um vinho rosé com corpo e acidez

Molhos à base de pesto e cogumelos – Uma delicia melhorada quando acompanhada de brancos envelhecidos ou um Sauvignon blanc.

Molhos de tomate – são provavelmente os pratos mais populares, e igualmente saborosos. É recomendável harmonizá-los com vinhos rosé suaves, já que a sua acidez é bastante equilibrada para o tomate. Se prefere manter a tradição italiana, acompanhe com Chianti

Massas com marisco e peixe – a melhor escolha são os brancos, especialmente um Pinot ou um Malvasía. Se preferir, pode e debe acompanhar com um bom cava ou champanhe seco.

Massas com carnes- um bom vinho tinto, encorpado, proporciona uma satisfação total ao paladar.

Massas suaves – com um pouco de mozzarella, vinagreta ou azeite de manjericão, casam bem com os vinhos rosé.

Agora já não tem desculpa para não preparar a sua massa preferida ou brindar-se com uma bela refeição de massa num restaurante italiano, evidentemente com a companhia do seu vinho preferido. Bom apetite!

 TAGS:Quinta do Portal Rosé 2014Quinta do Portal Rosé 2014

Quinta do Portal Rosé 2014

 

 

 TAGS:Quinta Vallado Douro Branco 2015Quinta Vallado Douro Branco 2015

Quinta Vallado Douro Branco 2015

 

 

Vinho da Roma Antiga

 TAGS:undefinedImagine que pode provar o vinho que bebiam os habitantes do antigo Império Romano… esta fantasia pode converter-se em realidade, graças ao estudo efectuado nas ruínas das adegas onde estes vinhos eram elaborados.

Um produtor de vinho, perto de Portland, no Estado de Oregon, está a produzir as primeiras remessas de um vinho que aplica as mesmas técnicas que os romanos utilizavam há mais de 2000 anos.

O Professor de Cerâmica Andrew Beckham e a sua esposa Annedria cultivaram Chardonnay e Pinot noir, seguindo as instruções da viticultora italiana Elisabetta Foradori. Beckham reproduziu as ânforas originais, baseando-se nos desenhos de recipientes romanos, potes portugueses (as tinajas espanholas) e no Kvevri da Georgia. Através do desenho destas peças descobriu que as formas afetavam grandemente as características do vinho resultante.

A porosidade da argila incrementa a exposição dos vinhos ao oxigénio durante o seu envelhecimento, o que produz taninos mais suaves e aumenta os aromas de nozes, chocolate e fruta cozida. O produtor afirma que obtém os mesmos resultados dos barris de carvalho, habitualmente utilizados no envelhecimento de vinho, mas em metade do tempo que os barris necessitam.
Hoje em dia, Andrew Beckham elabora vinhos fermentados em ânforas e desenvolvidos em madeira; fermentados e desenvolvidos em ânforas; fermentados em ânfora e de envelhecimento misto, cada um deles de características particulares e grande potencial. Os sabores destes vinhos, são, de um modo geral, frutados e subtis, e aquele que mais destaca, elaborado exclusivamente em argila, apresenta um belo vermelho-rubi, com aromas de ameixas, amoras, chocolate e canela.
Um vinho realmente inédito nos últimos séculos…

 TAGS:Augustus Merlot-Syrah 2014Augustus Merlot-Syrah 2014

Augustus Merlot-Syrah 2014

 

 

 TAGS:Augustus Blanc Chardonnay 2014Augustus Blanc Chardonnay 2014

Augustus Blanc Chardonnay 2014

Talvez a cerveja possa prevenir o cancro de mama

 TAGS:undefinedTalvez um dos principais ingredientes da cerveja, o lúpulo, possa contribuir para a prevenção do cancro da mama. Esta conclusão é a consequência de um estudo realizado por especialistas da Universidade de Illinois, Chicago, publicado pela revista britânica Daily & Sunday Express.

O lúpulo, uma planta aromática trepadeira, é a responsável pelos sabores amargos, assim como os toques de especiarias ou citrinos, foi submetida a investigações que a relacionam com os níveis hormonais masculinos e femininos. Este estudo indica ainda a probabilidade de que o lúpulo possa activar os compostos químicos que inibem o desenvolvimento de tumores.

Os investigadores usaram extracto de lúpulo em dois tipos diferentes de células mamárias para conhecer o efeito do metabolismo dos estrogénios das células, partindo da base (já comprovada) de que um metabolismo mais lento aumenta o risco de cancro da mama.

No lúpulo encontrou-se a presença de um activo chamado preninalringenina (6-PN), um prenilflavonoide com capacidade para aumentar a taxa de metabolismo dos estrogénios, o que seria de grande ajuda em futuras investigações sobre a eficácia deste composto contra o cancro.

O 6-PN é um potente fitoestrogénio, que, uma vez ingerido, altera a actividade das hormonas. Algumas mulheres podem chegar a ter interrupções nos seus ciclos menstruais, e usado no tratamento da pós-menopausa diminui a transpiração noturna, calores e insónia.

A equipa de investigação também encontrouum activo semelhante, preninalringenina (8-PN), aparentemente menos eficaz, mas também objeto de futuros estudos.

 

 TAGS:Grimbergen Optimo BrunoGrimbergen Optimo Bruno

Grimbergen Optimo Bruno

 

 

 TAGS:Westvleteren 12Westvleteren 12

Westvleteren 12

Perder peso? Dieta com vinho!

 TAGS:undefinedSe está a fazer dieta e o vinho faz parte das suas prioridades, não perca as receitas que hoje publicamos. Tome nota!

Vinho e presunto

Dois produtos de combinação irresistível e que podem ajudar a perder peso. Talvez lhe pareça impossível, porém, o Instituto Médico Europeu da Obesidade (IMEO), elaborou uma dieta gourmet que inclui vinho tinto e presunto ibérico.

Com esta dieta pode perder entre 4 e 6Kg, aproximadamente, sempre que o consumo seja moderado. Os responsáveis pela criação da dieta acrescentam que o presunto ibérico fornece ferro e vitaminas do grupo B, e que o seu conteúdo em gorduras saturadas é reduzido, tendo, pelo contrário, uma elevada presença de ácidos gordos monoinsaturados, como o ácido oleico.

A dieta do vinho e presunto substitui alimentos tradicionalmente usados para emagrecer; o peixe e as verduras.

Vinho e chocolate

Dupla excelência… As suas possíveis combinações criam harmonizações e provas simplesmente fantásticas. Esta dieta foi proposta pelo Professor Tim Spector, do King College de Londres, que estabelece algumas das melhores opções para activar o movimento intestinal e incrementar a reprodução de bactérias intestinais benignas, que ajudam a reduzir o peso. Os alimentos indicados são o queijo, o vinho e o chocolate, e a proposta inclui a recomendação de uma alimentação o mais variada possível. A explicação reside no facto de quanto maior for a variedade, maior é também a diversidade de organismos presente no nosso sistema digestivo, o que aumenta a qualidade da saúde e a capacidade para queimar gorduras.

Vinho e ovos

Parece ser que o nosso organismo agradece a combinação do vinho com outros alimentos. O ovo é o alimento que mais facilita um baixo consumo de energia, e, por outro lado, juntamente com o vinho, proporciona uma elevada quantidade de proteínas e menos hidratos de carbono.

 

 TAGS:Quinta do Vale Meão 2013Quinta do Vale Meão 2013

Quinta do Vale Meão 2013

 

 

 TAGS:Meandro 2013Meandro 2013

Meandro 2013

Bon appétit! Gastronomia francesa para iniciados

 TAGS:undefinedUm dos modos de organizar uma harmonização é associando-a à estação do ano. A gastronomia francesa, considerada como uma das mais importantes a nível mundial, é extremamente aromática, o qual, combinado com as suas texturas, densidade e um vinho encorpado, cria uma união perfeita para o Inverno. Hoje trazemos-lhe alguns exemplos de pratos característicos deste país. Bon appétit

Crepes: podem ser doces ou salgados. A nossa preferência vai para o crepe de cogumelos e fiambre e para o crepe da Normandia, com gambas e queijo gruyère. Acompanhe com sidra.

Salada Niçoise: típica da Região da Cote D’Azur, no Sul de França, é feita com alface, atum, cogumelos e batata. Para beber, pode escolher um rosé seco; Syrah, Pinot noir ou Cabernet sauvignon.

Creme de abóbora: é uma opção perfeita para a época em que acabamos de entrar. Acompanhar com vinho espumante.

Quiche Lorraine: feita com massa quebrada e recheada de presunto ou toucinho, curgete, queijo emmental e cebola. É recomendável ser acompanhado de um vinho branco novo e frutado.

Parmentier de foie: à base de batata, foie de pato, natas, ervas aromáticas e um pouco de vinho do Porto, pode ser acompanhado com este último ou com um tinto encorpado e redondo.

Sobremesas: algumas das opções da, excelente, pastelaria francesa são a Tarte Tatin e o Bolo Saint-Honoré, ambos podem vão bem com um tinto leve.

 

 TAGS:M. Chapoutier la Bernardine 2011M. Chapoutier la Bernardine 2011

M. Chapoutier la Bernardine 2011

 

 

 TAGS:M. Chapoutier Bila Haut Occultum Lapidem 2014M. Chapoutier Bila Haut Occultum Lapidem 2014

M. Chapoutier Bila Haut Occultum Lapidem 2014

 

Harmonizações imbatíveis com vinho rosé

 TAGS:undefinedUma das coisas que mais apetece no Verão é beber um rosé junto ao mar. Frescos e com aromas de fruta, os rosés mais ambiciosos podem harmonizar-se com vários alimentos. 

Os rosés da Toscana servem-se com massas e aperitivos, como por exemplo os crostinis; tostas variadas com tomate, paté, carne, peixe, queijos e verduras. Os rosés australianos vão bem com queijos suaves, e os de Espanha e Portugal, normalmente são aconselháveis com peixe e determinadas carnes.
É preferível servi-lo frio, mas não excessivamente: um pouco acima da temperatura do vinho branco e mais frio do que um tinto.
Agora venha conhecer alguns dos alimentos que este vinho pode, e deve, regar.

Vinho rosé e carne
Embora o casamento preferido, ou mais habitual, do rosé seja com peixe, a carne é uma boa surpresa. É recomendável ser acompanhado por enchidos e carnes vermelhas, especialmente se forem vinhos de cor vermelha intensa e com um pouco mais de corpo. A uva Monastrell harmoniza com carne de porco, especialmente, assada na brasa.

Com marisco
O rosé mais leve é perfeito com marisco, sobretudo os vinhos de aroma e paladar frutados, que têm a capacidade de realçar os sabores de determinados mariscos.

Com peixe
Para além do branco, o rosé é um dos vinhos que melhor combina com todo o tipo de peixe, ainda que o peixe branco seja o favorito.

Com queijo
São muito bons aliados. O queijo de cabra, camembert ou brie e rosé formam uma união muito equilibrada de sabores.

Com massas e saladas
Os pratos frescos e leves de Verão, como massas e arrozes, harmonizam bastante bem com a suavidade e frescura do rosé.

Com fruta
Com sobremesas e fruta vão sempre bem.

 

 TAGS:Quinta do Portal Rosé 2014Quinta do Portal Rosé 2014

Quinta do Portal Rosé 2014

 

 

 TAGS:Mateus RoseMateus Rose

Mateus Rose