Onde nasceu o vinho?

A Rússia é o berço da vodka. México o da tequila. Cuba do rum. Escócia do whisky. Mas…então, e de onde vem o vinho? Que país terá a honra de ter criado o vinho? A sua atribuição é duvidosa e não isenta de política, já que o facto de ter descoberto tal pérola dos líquidos é uma bela medalha. No entanto, o aparecimento do vinho não é algo que possa ser isolado da história, pelo contrário; é indissociável do desenvolvimento histórico da agricultura e da gastronomia.

A história do vinho nasce no Neolítico

Tudo parece indicar que o vinho nasceu durante o Neolítico (na Idade da Pedra). Os primeiros vestígios daquilo que poderia ser vinho foram descobertos na Cordilheira de Zagros (a região hoje em dia ocupada pela Arménia, Geórgia e Irão), concretamente, na povoação neolítica de Hajji Firuz Tepe.

Foi neste núcleo de povoamento onde se encontrou pela primeira vez um recipiente datado de 5400 a.C. que continha ácido tartárico, a substância presente na casca da uva e, como tal, parece indicar que conteve vinho. Vinho este elaborado com a espécie Vitis vinifera sylvestris.

O aparecimento das rotas comerciais

Com o desenvolvimento e a passagem das sociedades nómadas a sociedades sedentárias, evoluiu o domínio das técnicas agrícolas, para além de surgirem novos ofícios e, com eles, o intercâmbio de mercadorias e a chegada do comércio. É precisamente através do comércio que se inicia a expansão do vinho da Europa Oriental até à Índia e à China.

O vinho no Antigo Egipto

Durante o reinado de Udimo, quinto Faraó da dinastia I do Egipto (entre 2914 a.C. e 2867 a.C.), realizaram-se representações pictóricas das vindimas do povo egípcio. No início, o vinho, que também poderia ser o resultado de sumo de romãs, era utilizado em cerimónias religiosas e chamava-se Shedeh. Apesar de ser algo exclusivo da Nobreza e da Igreja, durante os períodos festivos, os egípcios de baixa classe económica também tinham acesso ao vinho.

Em relação à conservação, o vinho era guardado em ânforas seladas. Algumas delas chegaram, inclusive, a fazer parte dos objectos fúnebres dos faraós, como no caso de Tutankamón, junto ao qual foram encontradas trinta grandes jarras de vinho. No antigo Egipto, o vinho também era utilizado para limpar os corpos, antes e depois de os esvaziar, durante o processo de mumificação.

Do Egipto à Grécia

Dada a proximidade geográfica de Creta, Egipto e Fenícia, em relação à península grega, acredita-se que o vinho chegou ao berço da civilização moderna passando pela famosa ilha do Mediterrâneo Oriental.

Por volta de 700 a.C. o vinho era uma bebida habitual e atingiu um nível de popularidade tão grande que, inclusive, lhe atribuíram um Deus: Dionísio.

Normalmente era bebido misturado com água, já que possuía uma elevada graduação alcoólica, e apenas se bebia em estado puro durante os rituais e as cerimónias religiosas. Foi a partir da cultura grega que o cultivo da vinha se expandiu a outros países mediterrâneos. É também da Grécia que chega a primeira documentação sobre o vinho: sob o título Os Trabalhos e os Dias, o poeta grego Hesíodo (séc. VIII a. C.) descreveu a colheita e prensa das uvas, o modo como se consumia misturado com água, e a sua conservação; em odres de pele de cabra.

O vinho no Império Romano

Por volta de 200 a.C. o vinho chegou à península de Itália, onde mesmo nas terras do Sul começaram a chamar-se Oenotria (“terra de uva”), dada a facilidade do seu cultivo. O Império Romano teve um papel fundamental na divulgação do vinho e na extensão do cultivo da uva na Europa, chegando a plantar vinha em latitudes como a da Normandia, Flandres e Países Bálticos. Foi uma verdadeira época de esplendor do vinho, à qual devemos agradecer, entre outras, a técnica de enxertar videira.

Os romanos também começaram a utilizar cubas de madeira para armazenar e transportar o vinho, um método proveniente do norte da Europa na armazenagem de outras bebidas.

Com o desaparecimento do Império Romano e durante a Idade Média, foi nos mosteiros que se deu seguimento ao cultivo da vinha para obter vinhos destinados à celebração das missas.

O vinho no Novo Mundo

A chegada da vide e do vinho àquilo a que chamamos Novo Mundo, ocorreu graças aos jesuítas e aos conquistadores. Como o fornecimento do vinho para os ofícios religiosos devia ser garantido, pouco a pouco, as castas foram sendo levadas e plantadas, um processo que se viu acelerado com os porta-enxertos. Em pouco menos de 100 anos, durante o séc. XVI, o vinho chegou ao México, Baixa Califórnia e depois ao Peru, Chile e Argentina.

Mais História e curiosidades sobre o vinho

No Blog da Uvinum adoramos escrever, aprender e divulgar informação sobre vinho. Se deseja continuar a ler artigos sobre a história e as curiosidades do vinho, aqui deixamos alguns links que certamente o/a vão interessar.

Tchim-tchim!

Deixe um comentário Onde nasceu o vinho?